Skip directly to content

Prefeitos se mobilizam em favor de mais recursos públicos para os municípios

Data: 
10/02/2020 - 10:41
Caravina deve liderar movimento em MS (Foto: Edson Ribeiro)

Willams Araújo

 

Prefeitos e gestores públicos de todo o País se preparam para participar da XXIII Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, organizada pela CNM (Confederação Nacional de Municípios). 

 

A mobilização nacional, que ocorre de 25 a 28 de maio, está com as inscrições abertas para prefeitos e gestores.

 

Com o tema "Município palco da vida", a edição deste ano pretende resgatar a missão da CNM, que completa 40 anos dia 8 de fevereiro: o aperfeiçoamento da gestão municipal e a melhoria da qualidade de vida da população.

 

Membro do Conselho Político da CNM, o presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul) e prefeito de Bataguassu, Pedro Caravina, deve liderar caravana de prefeitos do Estado durante o ato, a exemplo de edições anteriores. 

 

Em 2019, houve recorde de público, com mais de 9 mil pessoas, entre prefeitos(as), secretários, agentes de desenvolvimento, agentes municipalistas, vereadores e demais gestores municipais.

 

O presidente da CNM, Glademir Aroldi, destaca a importância de os gestores estarem presentes no maior encontro municipalista do país.

 

“O último ano de gestão do atual mandato de prefeitos e vereadores é a oportunidade de cumprir os compromissos assumidos com a população do Município. Estaremos reunidos, como acontece todo ano, para tirar dúvidas, dar apoio técnico aos gestores e falar dos desafios e das demandas da gestão municipal”, afirma. Ele também lembra que reformas estruturais estão sendo discutidas no Congresso Nacional e o movimento precisa demonstrar sua união e força, contribuindo com os debates.

 

A Marcha ocorre no Centro Internacional de Convenções de Brasília e todos os participantes com registro de presença em 70% da carga final horária do evento recebem certificado.

 

“São inúmeras as conquistas que resultaram da Marcha no decorrer dessas duas décadas”, diz a entidade. Com informações da Agência CNM.